poesia

(20) Poesia da Semana

A espera por entre as memórias nunca teve fim
Na maré dos sonhos que não foram iguais
Ainda navego a esmo

Sem andar espero te encontrar
Pra reunir o que não foi feito depois
Com você espero me reencontrar
Pra dividir o que não se faz a sós

Espero te encontrar todo dia o sol brilhar
Um sonho pra viver e buscar
Não vá se convencer que é erro viver o seu pensar
Os passos que houver compartilhar

A espera por entre as memorias nunca teve fim
Na maré dos sonhos que não foram iguais
Ainda navego a esmo

poesia

(19) Poesia da Semana

Você me disse aqui
Que o tempo ja passou
E o sonho se tornou real

A sua velha voz
Me trouxe a esperança
De enxergar tudo como é

Sempre livre no inicio
Mas confesso que a sua vontade é o meu vício
Cultuando motivos
E a verdade que sempre caminha no princípio

Sempre distante ali
Eu penso o mesmo
Que cada um de nós tem um caminho
Para viver para sorrir
Para levantar quando cair
Para viver para sorrir
Sem ter que olhar pra traz
O jeito é se unir

A sua velha voz
Me trouxe a esperança
De enxergar tudo como é

Sempre livre no inicio
Mas confesso que a sua vontade é o meu vício
Cultuando motivos
E a verdade Que sempre caminha no princípio

poesia

(18) Poesia da Semana

Ela dizia que era cedo
Até tarde

E eu dormia entre as paredes
No seu quarto de estar

E a noite vive na gente
E a sorte não mais
Digo a corte
Livre esta gente
O ar

Não mais viver com o cheiro
da rosa na noite estrelada no céu
no ar você

Só quero que alguém
Cuide de ti
Só quero que alguém
Cuide de ti
Só quero que alguém
Cuide de ti

E ela diz que ainda é cedo
Pra saudade

E eu dormia um pouco longe
Pra saudade evitar

poesia

(17) Poesia da Semana

Tô vivendo todo dia
Um de cada vez
Nesta minha harmonia
De ser feliz
Esqueço e mando embora
A dor que a saudade diz
Dentro desta minha fome
De revelar

Só vou voar ainda hoje
O raio do sol
Reflete no mar
O céu é quem permitiu o sol
Então

Deixe que a vida
Separe as nuvens
Das que não são de algodão
Digo pra você olá o que é
Mas veja se doce é o refrão

Tô vivendo todo dia
Um de cada vez
No dia que irradia
A luta de ser feliz
Não deixo que a luz acesa
Me impeça de dormir
Virtude é saber viver
Sem ter que provar
Deixe que a vida
Separe as nuvens
Das que não são de algodão
Digo pra você olá oque é
Mas veja se doce é o refrão
Deixe que a vida
Separe as nuvens
Das que não são de algodão
Digo pra você faça o que bem quiser
Mas veja se doce é o refrão
Doce é o refrão

poesia

(14) Poesia da Semana

Quantas notas a encobrir
A fraqueza do mais sábio
A chacina no consumir
O desejo de saciar
O café e o pão
Na mesa do jantar

Quantas portas para se abrir
A verdade que cobre as notas
Na rotina do descobrir
O cansaço te leva de volta

Pro trabalho que não
Nunca te satisfaz
Queria te contar
Da beleza do sacrifício
De alguém que quer te amar
Na medida do impossível

Pro trabalho que não
Nunca te satisfaz
Queria te contar
Da beleza do sacrifício
De alguém que quer te amar
Na medida do impossível

poesia

(13) Poesia da Semana

Caminha na varanda
Casinha de ficar
Exerço o que eles dizem
Um quadro casas no ar

E sigo a ordem de por
Campos de força
Humanos cantar
Conduz aos prédios que montam
Mas minhas casas no ar

Caminha na varanda
Início do pleitar
Reflito o manto que trazem
Cantar a graça sem par

E sigo a ordem de por
Campos de força
Humanos cantar
Conduz aos prédios que montam
Mas minhas casas no ar

Este vermelho é facil de ver
Sinal vermelho e lá no meio do busão
Brilha em mim brilha e vai

A forma desta luz é fácil baby
É tipo um laço geometrico vermelho
Puxando a mim brilha em mim

poesia

(12) Poesia da Semana

Eu queria ver voce me encarar
Agora que as coisas estão no lugar
Veio correndo se desintegrou
O meu vento deixou o seu mar aberto e sopra sem parar

Eu queria ouvir voce me falar
Das conchas que te dei de tanto pesar
A unica razão de te abandonar são ondas que não vão parar
A duvida sequencial

Na areia e no mar as sombras se vão
Aonde um desejo transformasse em sal
Quando juntos
Sempre formamos um belo casal

Entreterimento · música · poesia

Novo! Single – Noite De Balada

 

Letra – Noite de Balada

Natureza se armou
A morte nunca retornou
O céu e as nuvens
Voltaram a competir em vão

Noite de balada
Uma bala atravessou o seu pulmão
Sozinhos na estrada
No fim da festa o balão de
São joão , São João

Ele disse assim
Não quero me explicar
Foi de repente que
Começou a cantar

Noite de balada
Uma bala atravessou o seu pulmão
Sozinhos na estrada
No fim da festa o balão de
São joão , São João

Olá seguidores do Pupo! esta música se chama “Noite De Balada”, é com imensa gratidão que anuncio um novo projeto que está quase pronto para lançamento, o álbum Sonoridade Stridameris, fique atento que possivelmente estarei lançando mais conteúdos, de músicas e eventos. Você que está aqui contemplando o ideal, merece mais sonoridades que pertencem ao seu caminho.

Entreterimento · música · poesia

(10) Poesia da Semana

Esqueço aonde ficar quando vai voltar
A ideia em mente voa
Preso a acelerar um constante gravitar
O som da sonda o espaço
Fica a caminhar e tento observar
No espaço o tempo voa
E se não chuviscar sei que vai chegar
Quando vai voltar?

Quando vai chegar a vida então
Para anunciar nossa união
Será que toda estrela existe só pra nós?
Será que toda estrela existe só pra nós?

E quando fico a me encarar, me perco no olhar
Pra que ir e te sentir se posso respirar
Nunca mais te vi aqui

Quando vai chegar a vida então
Para anunciar nossa união
Será que toda estrela existe só pra nós?
Será que toda estrela existe só pra nós?